SINDARSPEN alerta para falta de estrutura para retorno das visitas nas unidades penais do ParanĂ¡

Visitas serĂ£o retomadas em novembro. Falta de servidores para garantir um retorno seguro preocupa o Sindicato



O Sindicato dos Policiais Penais do Paraná (SINDARSPEN) oficiou o Departamento de Polícia Penal (Deppen) para questionar a estrutura das unidades prisionais no retorno às visitas presenciais das pessoas privadas de liberdade. A portaria de retorno foi publicada pelo órgão no último dia 21.

Desde abril de 2020, em decorrência da pandemia do coronavírus, todas as visitas humanitárias e de familiares foram suspensas no sistema penitenciário do Paraná, como forma de evitar a proliferação da covid-19 no ambiente prisional. Com a vacinação dos servidores e dos presos realizada nos últimos meses, o Deppen vai reabrir para as visitas a partir de novembro.

O Sindicato, no entanto, alerta para a falta de estrutura dos estabelecimentos para essa retomada. A maior preocupação é quanto à defasagem no número de policiais penais para fazer a movimentação dos presos. Atualmente, o sistema penitenciário está com 2.745 policiais penais e cerca de 2.000 guardas prisionais temporários para atender uma demanda de aproximadamente 30 mil presos nas penitenciárias, casas de custódia, colônias penais e cadeias públicas do estado, em 150 municípios. A defasagem é de 6.400 policiais penais.

“O número de policiais reduziu desde o início da pandemia e não foi reposto. Isso é muito preocupante porque atenta contra a segurança de todos os envolvidos no ambiente prisional”, ressalta o presidente do SINDARSPEN, Ricardo Miranda.

Além da falta de pessoal, os policiais têm relatado que não tem havido distribuição de kits de proteção, como álcool em gel, máscara e termômetros digitais.